Nahkainen päiväkirja Henkilökohtainen nahkainen muistikirjan kansi Midori Travel Notebook

fpfcorp 08/09/2021 1169

KK: Duas mortes anunciadas num só Homem

Por Jorge Ferrão & José Castiano

O comboio que anunciara a sua morte apitou duas vezes. Nestas ingentes palavras, comecemos pelo último apito. Oficialmente, o anúncio da sua hospitalização dava conta de que "não se tratava de Covid-19". Não obstante, sobraram dúvidas sobre o seu estado de saúde. Ainda repercutia, em nossas recordações latestes, a odisseia do vizinho Presidente Magufuli. Para a nossa geração, nós, que crescemos contemplando a parte final dos nacionalismos e pós-independências, sabemos, como parte de uma cartilha, que nunca se anunciam os mal-estares e muito menos as patologias das lideranças. A rigor, quando se trata dos progenitores ou Heróis das Lutas de Libertação.

Entre mitos ou tabus, recebemos duas heranças, se não forem mais, a saber: a das teorias de conspiração socialista, onde Kremlin ou Havanna, escondiam os internamentos dos seus líderes. Era comum inventar artefactos, duplos, ou sósias, para os substituírem em ocasiões públicas. A segunda herança é da própria tradição Africana: não se devia saber que o Rei padecia, nem que sofria, como qualquer humano, de outras fraquezas. Nem mesmo depois da morte. Quem já visitou

Emankhosini,

Lugar onde foram enterrados os Reis Zulus (menos o Shaka Zulu, é claro), saberá como aquele lugar foi mantido em segredo pelos Nkhosis. Devia manter-se o mito de uma existência ancestral.

Kaundan sairaalahoito oli ennakkoilmoitus hänen kuolemastaan. Magufulin osalta saatamme olla hajamielisiä, mutta 96-vuotiaan miehen kannalta emme ole niin hajamielisiä. Ehkä hänen pitkäikäisyys johtuu siitä, että hän elää yksinkertaista elämää. Hän ei juo eikä tupakoi. Hän tulee uskonnollisesta perheestä. Hän on ollut opettaja. Hän kantaa kitaraa mukanaan minne tahansa (mukaan lukien virallisella vierailulla Kremliin), riippumatta siitä, onko hänellä sitä tai ei. Hän laulaa aina.

E aqui passamos à segunda parte da dupla-morte anunciada. Em 2013, nas cerimónias fúnebres de Mandela, seu companheiro na luta contra o apartheid, mantemos vivas aquelas imagens da correria desenfreada que iniciou, pelo meio da sala, para discursar e provar que estava em forma. Depois, puxou pelos pulmões entoou a música-predilecta (quiçá uma das suas inúmeras composições),

tiyende pamodzi na n’tima umodzi,

esse hino nacionalista que apelava à união de todos num só coração. Nesta cerimónia fúnebre, porém, já poucos o seguiram. Era o prenúncio da sua caminhada para o final, como o último nacionalista que pregou uma era inteira de libertação, afirmação e identidade, na África Austral.

Como último dos memoráveis ​​nacionalistas africanos, Kaunda, tinha algo em specific que o distinguia. O simbolismo com que se fazia presente em cerimónias oficiais e eventos públicos, que tipificava as glórias das lutas. Os outros líderes seguiam os mesmos exemplos. Mobutu Sese Sekou levava uma bengala-talismã, talhada de leão e outros animais; Kamuzu Banda trazia semper consigo um rabo-de-leão; até mesmo o pacífico

mwalimu

Nyerere, tee

Ujamaa,

trazia semper uma "bengala" da sabedoria; o Mandela inaugurou "madibasiksi"; Samora Machel especulávamos sobre o seu relógio "mágico". No entanto, a semelhança e, ao mesmo tempo, a diferença do Kaunda estava no seu talismã, um lenço branco, muito branco, com o qual acenava às pessoas em qualquer momento.

Que simbolismo arrastava aquele lenço branco no meio de uma tradição africana de leões, leopardos, elefantes jne.? Recordemos que o Shaka Zulu se sentava semper em cima da pele de um leão que ele próprio matava, numa luta preparada, quase que anualmente. Quando visitamos o santuário dos Macheis, em Chókwè, o nosso guia-historiador do Museu deleita-se em contar a história da luta de Machel com um crocodilo que queria comer um dos bois que ele apascentava.

Na autobiografia épica de Kaunda,

Sambia on vapaa,

conta-se da aparição de um leão enorme, ao qual ele afugentou com a sua bicicleta. Apesar da época de heróis e de misticismos nacionalistas independentistas de pais-fundadores, por quê, este homem, escolheria um "lenço branco", tão assim que se distinguia de todas as cores?

Neste infausto momento, nos assalta à memória a solidão que o acompanhou, antes desta partida, cantando e dançando, sozinho, o seu

tiyende pamodzi.

Alguns factos ajudam a entender o enigma do lenço branco. Basta, para o efeito, que nos recordemos das imagens das negociações dos Acordos de Lusaca, assinados entre o Governo Português e a cúpula da Frelimo, chefiada por Samora Machel, em 1974. Por trásçuunda dest bratavas neocom.

Um ano mais tarde, em 1975, voltamos a ver o mesmo lenço branco, mítico, quando mediava a questão Zimbabwe, encontrando-se com Ian Smith ja John Voster nas conversações de

Victoria Falls

. Ali, naquela carruagem vetusta colocada, exactamente, numa fronteira imaginária, em cima do Rio Zambeze, ele não deixou de acenar. Respondia, com humildade, às maníacas exigências dos brancos Smith e Voster, que assumiam, ainda, dominar o território "branco" da Rodésia e os nacionalistas "negros" na parte sambiana. Antes, o mesmo Kaunda tentara mediar a união entre um Mugabe e um Joshua Nkomo, dois nacionalistas relutantes, para se unirem (em abono da verdade, deve dizer-se que Kaunda inclinava-se mais para o movimento chefiado por, Joshuquea N pelokomo seu irmão Mugabe).

Em 1982, voltamos a ver o lenço branco, num encontro em Botswana, desta vez com o Pik Botha, da África do Sul, com Kaunda a exigir a libertação imediata de Nelson Mandela. E, nos tempos difíceis para todos nós, nos anos oitenta do FMI e suas políticas de “austeridade” e “Estado Mínimo” do Consenso de Washington, Kaunda voltaria a exibir o seu lenço branco, recusando as imposiç comostaidos Undaid doiosões Soviética, acenando a sua porta aberta para a China. Aliás, esta posição já era antiga. Tallenna se kiinalainen mandara tai Grande Projecto

Sambian rautatiet

(há uma foto famosa em que Nyerere visita este empreendimento austral).

Quando Mandela saiu da prisão, viajou de imediato para Zâmbia para se encontrar com a direcção do ANC, no exílio, para eventuais acertos sobre as transições de poder e de conciliação que se seguiriam; uma parte daqueles guerrilheiros tinha saído de Moçambique por causa dos Acordos de Incomáti. Lusaca e o iconoclasta Kaunda voltavam a ser a capital do lenço-branco.

Qual ​​era a fonte desta convicção "nacionalista" de que as independências também se podem fazer em cima de um lenço branco? Kaunda lera e admirara-se syvällinen Gandhi, pela sua luta pacifista. De certa forma até tentou adaptar a

väkivallattomuuspolitiikka

Afro-Australialainen kolonialismimme ja valkoisten rasismin vähemmistöhallinto Etelä-Afrikassa ja Rhodesiassa. Tänään, kuten jo eilen spekuloitiin, voimme sanoa, että hän haluaa miellyttää ateenalaisia ​​ja troijalaisia ​​samanaikaisesti. On varmaa, että Kaunda osaa selviytyä ja selviytyä, kunnes hänestä tulee viimeinen nationalisti, jonka voimme näyttää "siirtymäsukupolvelle".

Como qualquer ser humano e líder, Kaunda, foi um homem com defeitos, controvérsias e outras vivahteita. Isso foi. Em plena onda multipartidarista, ele preferiu continuar a ver o seu partido independentista como o "único". E pagou caro por isso: o Chiluba, perante a iminência do regresso de Kaunda às eleições e, talvez, temendo o triunfo do “histórico”, mandou instaurar um processo que o proibia de contestar as eleições de paisas “estrangeuiro” naturais de Niassalândia, Malawi). Uma certa teimosia, em defesa da “Soberania de Estado”, fez-lhe arrastar o povo por uma crise do cobre que, até hoje, a Zâmbia, ainda, tenta recuperar-se. Sofreu tentativas de assassinatos.

Mas uma coisa é certa: pelo facto do seu filho mais velho ter morrido de SIDA, continuou a sua luta nacionalista levantando o seu lenço branco contra esta doença e em prol dos zambianos. Com o seu lenço-branco foi a todos os funerais de seus antigos camaradas (Nyerere, Machel, Mandela, Mugabe jne.) até que chegou a sua vez. Foi assim o último nacionalista de lenço-branco, o lenço da libertação e da paz negociada. Parte para a eternidade o percursor de Mandela, mas que soube fazer da sua Lusaca, a capital da paz.

KK continua um nome indefectível e embrenhado em nossas consciências, neste infausto momento. Não saberemos desvendar o que a eternidade o reserva. Todavia, temos a convicção de que KK perdurará como homem livre, insubmisso, fraternal e muito atento. Será semper o fiel servo das memórias da sua revolução e dos movimentos revolucionários dos países vizinhos.

Com o lenço, este symbolo de Paz, Kaunda nos deixou três livros, nomeadamente

Väkivallan arvoitus, humanisti Afrikassa

e

Kirje lapsilleni

que agora vamos desfrutar com leituras e olhos diferentes

.

De uma coisa nós temos a certeza, a luta vai continuar!

Latest: Traveler company

Next: muistikirja

Related Articles